Falso Policial e Pastor é reconhecido por irmãs que revelam ter sido abusadas sexualmente por ele na infância

Após a publicação feita por este site, do caso do suposto pastor que se passou por sargento da PM, e enganou alguns policiais dos batalhões de Porto Velho e Ariquemes, uma mãe com suas duas filhas, o reconheceram como o possível autor de abusos sexuais cometidos contra as filhas quando crianças.

A denúncia foi relatada detalhadamente na postagem compartilhada no FaceBook “Homem adquire farda de PM e se apresenta no Batalhão de Ariquemes como sargento de PE; Farsa é descoberta e ele é detido”.

A mãe das possíveis vítimas, escreveu na publicação: Este homem há vários anos vem em Candeias. Já foi acusado por várias famílias de assediar crianças.

É um lobo em pele de cordeiro. Procura as igrejas menores pra enganar o fiéis com falsas revelações.

Se aproxima das crianças com promessas de tirar fotos e abusa delas.

Uma das possíveis vítimas nos procurou nesta terça-feira (04), e relatou sua indignação em ver ele reincidindo nos crimes utilizando o nome de Deus para fazer vítimas, “se passa por pastor, missionário para fazer como fez comigo, minha irmã e outras crianças, quando vi a reportagem de sua prisão pensei que a justiça havia sido feita, porém avistaram ele solto e frequentando igrejas em Candeias, muito triste”.

Clique aqui e entre em nosso grupo do whatsapp

Conforme os relatos de uma das denunciantes o abuso contra ela foi no ano de 2002, ela tinha apenas 12 anos, e não entendia direito o que ele estaria acontecendo, ele usava a oração para cometer o crime. No relato detalhado, as mulheres abusadas denunciam a possibilidade de inúmeras outras crianças também terem sido abusadas.

Questionadas se denunciaram a polícia, elas informaram que na época sua mãe não acreditou, e por se tratar de um missionário respeitado, seus crimes ficaram encobertos e ofuscados pela religiosidade que envolvia os membros da igreja, que em hipótese alguma aceitariam a verdade.

Veja os relatos detalhados postados em público pelas irmãs:

Fonte: Jaruonline