‘Só beijo não deu conta, quero mais!’: vaza prints de professora confessando desej0 sexu4l por adolescente

 

Uma professora de 25 anos foi demitida da rede municipal de ensino de Praia Grande, litoral de São Paulo, após contar para uma aluna, por mensagens de WhatsApp, que havia beijado um estudante de 14 anos. Segundo a Secretaria de Educação da cidade, a profissional foi desligada imediatamente por má conduta.

Em conversas enviadas ao celular de uma colega do jovem, a professora narra com detalhes as circunstâncias de seu envolvimento com o alunoNos textos, ela diz que o havia beijado e que queria “transar com ele”.

“Amiga, preciso te contar um grande segredo. Não vou contar para ninguém, só para você, porque confio muito. Peguei o [nome do adolescente]”, escreve a professora em uma conversa com a aluna. “Mas agora vem a pior parte. Quero transar com ele. Só o beijo não deu conta”, comenta em outra mensagem.

O beijo, conta a professora nas mensagens, não ocorreu na unidade de ensino, mas na casa dela, após ter encontrado com o adolescente e um amigo no mercado.

A menina, surpresa com o comportamento da professora, decidiu contar à diretoria da escola o que estava acontecendo, e mostrou as mensagens, o que ocorreu em setembro.

Passados alguns dias, a diretoria da escola chamou a aluna e a colocou diante da professora, para confirmar as acusações. A partir daí, tanto a menina quanto um outro aluno, seu melhor amigo, passaram a sofrer ameaças de estudantes da escola, amigos do adolescente envolvido com a professora.

Sem intervenção da diretoria da unidade, as ameaças foram adiante e se concretizaram em agressões contra o amigo da aluna denunciante, ocorridas no dia 14 de novembro.

 

Três estudantes, incluindo o jovem envolvido com a professora, bateram no garoto, que permanece internado em um hospital da cidade após ser ferido na região genital.

 

O advogado Thiago Rodrigues afirmou que a mãe do garoto agredido o procurou para pedir auxílio jurídico. E entregou os prints das conversas entre a professora e a aluna que a delatou para a direção da escola.

“A menina nos contou que a professora a tinha como uma ‘amiga’, a quem confessava segredos”, explica Rodrigues. “

Um boletim de ocorrência foi aberto pela mãe do adolescente agredido, por ameaça e lesão corporal, e a polícia abriu inquérito para apurar as circunstâncias e a motivação.

Rodrigues afirma que ingressará com uma denúncia no Ministério Público (MP) para apuração da conduta da professora e da diretoria da unidade de ensino.

UOL