Algemas e vibrad0r: corretor e flanelinha vão parar na cadeia após deixarem motel no prejuízo

Tórrida e apimentada pelo uso de vários apetrechos sexuais, a noite de prazer entre um corretor de imóveis e um flanelinha virou caso de polícia no pequeno município de Cabedelo, na Região Metropolitana de João Pessoa (PB), nessa segunda-feira (6/5). Nas últimas horas, o vazamento da “lista” de tudo o que foi consumido na suíte chamou a atenção pela “animação” do casal.

O caso terminou na delegacia após o corretor de imóveis dar um calote no motel e deixar o flanelinha para trás com a conta debaixo do braço. Sem dinheiro para quitar os mais de 15 itens consumidos, a Polícia Militar foi acionada pelo gerente do estabelecimento,  por volta das 8h. Os funcionários relataram que o casal chegou na noite de domingo (5/6).

Extensa, a lista de consumação do casal tinha fantasias eróticas de “empregada doméstica”, “marinheira” e até “babá”. A transa ainda foi estimulada com o uso do chamado “cintaralho”, um tipo de cinto de couro com um pênis de borracha acoplado. Com muita energia, o corretor e o flanelinha ainda curtiram momentos quentes com um anel peniano com vibrador e algemas de metal com detalhes em pelúcia, segundo informado pelo Metrópoles.

Veja a lista de itens consumidos por corretor e flanelinha no motel:

Muita fome 

A noite regada a sexo deixou o casal com fome. A cozinha do motel foi acionada diversas vezes. De acordo com a lista de pedidos, há dois pratos de bife à parmegiana, porção de bolinhos de bacalhau, hambúrgueres, além de garrafas de whisky de 8 e 12 anos, latas de energético e de água de coco.

Depois do banquete e do sexo, o corretor de imóveis teria informado ao flanelinha que ia buscar o dinheiro em casa e não voltou. O vigia de carros relatou aos atendentes que conheceu o homem no mesmo dia em que foram ao motel e alegou que não tinha dinheiro para arcar com os custos, no valor aproximado de R$ 500.

Com ajuda de imagens de câmeras de segurança, os policiais militares conseguiram identificar o fugitivo. Uma vez que o carro usado pelo suspeito ostentava diversos adesivos de uma imobiliária da região (foto abaixo). Após buscas, o corretor foi preso e encaminhado à delegacia, onde assinou um Termo Circunstanciado de fraude e foi liberado.

Imobiliária

Por meio das redes sociais, os responsáveis pela imobiliária informaram que, apesar de o suspeito usar o carro com adesivos da empresa, ele não pertence mais ao quadro de funcionários.