Alergia à água faz estudante tomar banho apenas 2 vezes por mês

Universitária de 22 anos desenvolve erupções cutâneas quando em contato com o líquido. Condição é chamada de urticária aquagênica.

banner tim pizza
banner pax nacional

Imagine você se atividades rotineiras como suar, beber água ou tomar banho lhe causassem um desconforto terrível. Difícil, não é? Pois é assim que a estudante universitária Tessa Hansen-Smith se sente todos os seus dias.

A jovem de 21 anos, moradora da Califórnia (EUA), tem alergia à água, que causa erupções extremamente dolorosas na pele dela. A condição é super rara, afeta menos de 100 pessoas em todo o mundo e se chama urticária aquagênica.

Minutos após ter contato com o líquido, começam erupções cutâneas, crises de enxaqueca e até febre. Por isso, ela foi privada de praticar esportes e precisa ser transportada pelo campus da universidade para evitar suar e provocar um surto.

Tessa admite que só pode tomar banho duas vezes por mês e acha desconfortável até mesmo tomar um gole de água. “É uma condição realmente difícil, pois sou alérgica às minhas próprias lágrimas, saliva e suor. Eu sou muito propensa a exaustão por calor e tenho que evitar atividades físicas”, disse.

A estudante também sofre com muita fadiga muscular e náuseas. A doença se manifesta ainda quando ela come alimentos com muita água, como algumas frutas e legumes. Mesmo a água potável pode causar cortes na língua dela.

Os primeiros sinais da doença apareceram aos 8 anos de idade e, inicialmente, os pais dela acharam que eram uma reação alérgica aos sabonetes e xampus que ela estava usando. A mãe é médica e foi retirando os produtos um a um para descobrir a causa.

“Para acalmar as erupções cutâneas, eu tomava comprimidos para alergia, mas a urticária aquagênica piora com a idade e eles pararam de funcionar”, conta.

Tessa e a mãe perceberam a condição rara depois de pesquisar online os sintomas. Quando ela tinha 10 anos de idade, o diagnóstico foi fechado.

Devido à raridade da condição, há dados muito limitados sobre a eficácia de tratamentos individuais. Atualmente, a jovem toma nove comprimidos anti-histamínicos por dia — já foram 12, na esperança de manter os sintomas controlados.

Apesar dos desafios diários que enfrenta, Tessa está determinada a não deixar o problema limitar sua vida: “Dou o meu melhor para levar as coisas um dia de cada vez, porque alguns dias serão melhores que outros”, ensina. Tessa criou um perfil no Instagram para aumentar a conscientização sobre sua condição.

Fonte: METROPÓLES

rotativo2